: : MALEITAS/ANÁLISES : : U : : .

UNLEASHED - Dawn of the Nine / 2015

Uma banda que mantém o line-up há 2 décadas toca obrigatoriamente de olhos fechados, compõe de forma natural e lança álbuns regularmente com a maior das facilidades. Pioneiros em introduzir o conceito Viking nos meandros do Death Metal, os Unleashed tem-se mantido fiéis ao seu estilo desde 1991, altura em que se apresentaram com «Where no Life Dwells». A partir daí, nos 11 registos que se seguiram, o quarteto sueco foi-se reinventando, aproveitando a evolução das tecnologias de estúdio, embora não se afastando demasiado da sua linha condutora.
«Dawn of Nine» começa onde «Odalheim» termina revelando-se um disco mais dinâmico, directo, compassado mas ao mesmo tempo mais poderoso que o seu predecessor, inclinado para sonoridades Black Metal. Num trabalho que parece um tributo ao Som Eterno - através de referências mais ou menos dissimuladas a Bathory, Bolt Thrower, Amon Amarth, Amorthis, ... - os Unleashed criam mais uma razão para novos concertos já com a escrita de um próximo conjunto de temas na cabeça. Vai sendo mais do que altura para se pensar em trazer a banda liderada por Johnny Hedlund a um festival realizado na tal pequena povoação algures situada a norte de Portugal. Jun-15

[ 78 / 100 ]

 

UNLEASHED - Odalheim / 2011

Que haverá a acrescentar a tudo que já foi escrito sobre os Unleashed e que este 11º trabalho traga de original? Enfim, nada. Já reza a história que, a par de bandas como os Grave, Dismember e Entombed, pertenceram a uma corrente sonora que actualmente ainda vai influenciando novas gerações de forma marcante. Uma sonoridade Death / Thrash, ora mais ou menos acelerada, melódica q.b. e plena de atitude, servem para ir completando a discografia do quarteto escandinavo.
A temática de «Odalheim» começa onde termina o anterior «As Yggdrasil Trembles», um conceito bélico, despoletado pela força da natureza, contra o poder religioso instituído e onde uma nova era de batalhas a nível global está em marcha. Mantendo a velocidade dos álbuns mais recentes, os Unleashed destilam Death Metal clássico, onde o baixo e a voz proeminente de Johnny Hedlund continuam a prevalecer como imagem de marca, sobre linhas de guitarra muito bem construídas. Os temas desaguam em cânticos guerreiros, quase marciais e embora «Odalheim» não nos ofereça nada de novo, a banda continua em excelente forma, com pequenos pormenores instrumentais que vão funcionando de forma refinada numa sonoridade própria e sem qualquer tipo de compromissos. Mai-12

[ 77 / 100 ]

 

UNLEASHED - As Yggdrasil Trembles / 2010

O percurso dos Unleashed, assente em mais de 20 anos de actividade, inicia-se no fervoroso período do surgimento do Death Metal mais cadenciado, proveniente de Gotemburgo, ou não fosse Johnny Hedlund um dos elementos dos seminais Nihilist, movimento onde poderemos incluir bandas como Grave, Entombed ou Dismember. Após uma fase mais Punkish seguiu-se um prolongado hiato de 5 anos, quebrado com «Hell’s Unleashed», a partir do qual o quarteto tem optado por uma sonoridade mais rasgada, não fugindo muito à fórmula original, mas com laivos de Thrash à mistura.
Não se pense que vai ser agora que os suecos se vão desviar do caminho traçado, encontrando-se «As Yggdrasil Trembles» perfeitamente em consonância com o que vêem fazendo ao longo dos últimos tempos. Assim sendo, ao décimo trabalho de originais, estamos perante mais uma dose exacerbada de puro Viking Metal, directo ao assunto, onde o groove é a pedra basilar, enquanto Fredrik Folkare e Tomas Olsson se digladiam em curiosos jogos de guitarra, a sessão rítmica original composta por Hedlund e Anders Schultz dá o mote, em curtos e absorventes temas sobre pilhagem ou odes aos deuses da mitologia nórdica. Simples, absorvente, algo previsível, mas bastante eficaz.. Abr-10

[ 74 / 100 ]

 

UNLEASHED - Hammer Battalion / 2008

«Midvinterblot», álbum de 2006 do grupo sueco liderado por Johnny Hedlund, como que recolocou a banda no bom caminho após um regresso algo insípido gerado por trabalhos como «Hell's Unleashed» e «Sworn Allegiance», discos lançados depois de um interregno de 5 anos e que revelaram uma banda numa questionável toada mais lenta e bastante menos inspirada.
Em «Hammer Battalion» o quarteto mantém a mistura de Death Metal repleto de groove, onde o baixo dominante remete toda a sonoridade do colectivo para uma típica envolvente cadenciada. Cada espaço é complementado com fortes riffs, solos simples, curtos mas eficazes e onde se atinge o apogeu com o habitual refrão de fácil assimilação. Mesmo sendo algo previsível, praticamente todas as faixas convocam-nos para um irresistível abanar de cabeça compulsivo, enquanto Hedlund vocifera sobre o aniquilamento cristão, a fúria viking ou as agruras da natureza.
Já com 9 álbum de originais, estamos perante uma nova oportunidade para a banda se atirar para a estrada, condensada num registo honesto que apesar de alguns temas menos conseguidos contém outros capazes de ombrear com muitos dos hinos que nos foram oferecendo ao longo dos tempos. Jun-08

[ 79 / 100 ]

 

UNLEASHED - Midvinterblot / 2006

Não se pode dizer que depois de uma longa paragem que culminaria na edição de «Hell's Unleashed» em 2002, o quarteto sueco liderado por Johnny Hedlund tenha regressado com a força suficiente para colmatar tanto tempo de espera. Sendo um dos principais vectores do Death Metal europeu no inicio da década de 90', a par de bandas como Grave, Entombed ou Dismember, há semelhança destas, parecem ter ficado em estado de hibernação durante anos, afectados pelo crescimento exponencial de outras sonoridades mais emergentes e populares.
Desta feita, numa toada mais vibrante e diversa, os Unleashed atiram-nos com uma quantidade suficiente de farpas à cara, soando mais pesados que nunca e deixando um pouco de lado aquela faceta mais arrastada e melódica que ultimamente teimava em se sobrepor às restante. Sem grandes surpresas e sempre em consonância com o passado, os temas de «Midvinterblot» estão carregados de descargas de puro Thrash, de enleantes e viciosas melodias nórdicas, velocidade e energia aos pontapés, onde a voz de Hedlund, em plano de destaque na mistura final, marca vigorosa presença por cima de riffs tremendos, solos intrincados e enérgicos blastbeats.
Afinal os Vikings estão de boa saúde e capazes de grandes devastações.  Nov-06

[ 8 ]

 

UNLEASHED - Sworn Allegiance / 2004

Liderados por Johnny Hedlund, baixista e vocalista que em tempos pertenceu aos famosos Nihilist, os Unleashed estão de volta após um não muito bem sucedido regresso em 2002 com «Hell's Unleashed», o álbum que marcou o retorno da banda sueca após um interregno de quase 5 anos.
Este que é já o sétimo trabalho daquela que já foi uma das mais influentes bandas do movimento Death Metal europeu, a par de colectivos como os Grave ou Entombed, denota um natural abrandamento através de temas mais lentos e cadenciados mas oferece-nos 14 malhas de um saudoso Death n'Roll, com o espírito old school que sempre demonstraram. Repleto de ritmos galopantes e baseado em mensagens simples e directas, este trabalho também contém alguns "enchidos" e isso poderá resultar numa certa monotonia ao fim de umas poucas audições.
Interessados na missiva Viking de que "é melhor matar e perguntar depois, cortando sempre a direito", não procurem mais, eles chamam-se Unleashed. Set-04

[ 6 ]

 

UNLEASHED - Hell's Unleashed / 2002

Cinco anos após «Warrior», uma eternidade para quem até aí levou uma discografia muito seguida, estava na altura dos Viking Deathers Unleashed voltarem à carga.
Com um estilo muito particular e distante da escola de Gotemburgo, responsável pelo ressurgimento da cena Death com características sonoras bem melódicas mas agressivas ao mesmo tempo, o quarteto oferece-nos 14 temas corridos, com um groove acentuado e onde, como não poderia deixar de ser, o baixo de Johnny Hedlund desempenha um papel dominante.
Um registo equilibrado mas longe de ser brilhante.

[ 6.5 ]